Notícias

Serial killers famosos no mundo inteiro.

Publicidade
Serial killers
Veja nesse artigo alguns dos serial killers mais famosos do mundo

Os serial killers são assassinos em série que seguem padrões ao matar suas dezenas de vítimas.

Seja devido a algum transtorno psicológico ou desvios de personalidade causados por traumas, a verdade é que muitos dos casos são assustadores.

Criminosos deturpados, de sangue frio, adeptos a rituais bizarros, que matam e deixam sua marca própria na cena do crime.

Seja na forma como o crime aconteceu, nas circunstâncias ou nas características específicas da vítima, sempre seguem uma sequência padrão.

São diversas histórias de assassinos em série que chocaram o mundo inteiro, alguns de décadas atrás e outros tão recentes que surpreendem.

Alguns dos serial killers mais famosos do mundo:

  • O assassino do zodíaco:

Protagonista de livros e filmes ao redor do mundo, esse é um dos tantos assassinos em série que nunca foram capturados.

São cinco assassinatos confirmados e o criminoso afirma ter matado mais de trinta pessoas, em meados da década de 60.

Ele deixava cartas escritas em códigos na cena do crime, assinando como ‘assassino do zodíaco’.

  • Charles Manson:

Um dos serial killers mais cruéis da história, Charles era o líder de uma seita que abrigava jovens em conflito com a família.

Obrigava esses jovens a roubar dinheiro, matar e deixar mensagens no local do crime, escritas com o sangue da vítima.

  • Mary Ann Cotton:

Usando uma substância conhecida como arsênio, a britânica assassinou mais de vinte pessoas.Entre as vítimas, estão seus próprios filhos, três homens com quem foi casada e diversas crianças.

Ela foi levada à justiça, sentenciada e enforcada em 1937.

  • Ed Gein:

Um dos casos mais macabros, Ed retirava toda a pele do corpo de suas vítimas, desmembrava os corpos e usava as partes para decorar sua casa.

Não se sabe ao certo quantas vítimas fez. Ele morreu em um sanatório no ano de 1964.

Conclusões:

As histórias de serial killers sanguinários e cruéis não param por aí e longe disso.

Existem dezenas de outros, que tiraram a vida de pessoas inocentes por psicopatia, o prazer de assistir o sofrimento alheio, prolonga-lo.

Alguns, inclusive, possuíam o conceito deturbado de estarem fazendo justiça, o que se relacionava a traumas de infância envolvendo uma série de fatores.

Muitos desses casos se tornaram filmes e livros mundialmente famosos.

Um fato é que, até hoje, nem mesmo profissionais renomados conseguem explicar completamente a mente desses assassinos em série.

Explicar tamanha obsessão por matar é realmente algo complicado de entender.